quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

• Era uma vez uma casinha de boneca.

Ela grita em silêncio. Um pesado conflito em sua mente ♪  

- E a vida se torna uma pequena formiguinha, que hoje anda de cabeça para baixo. A minha mente meio louca ainda inventa um dos personagens do desenho da disney "Vida de inseto" andando de ponta cabeça :s É, nunca disse à nenhum de vocês que eu não era louca - não sou. Mas há momentos na vida que necessitam de um pouco de insanidade para que possam receber a importância merecida. Há coisas que não deixam de ser importantes envolvendo minha mente, colocando a menina que vos escreve num imenso vazio. Deste lado da tela parecem estar pouco complicadas e chegam a ser surpreendentes até. Eu venho sendo decepcionada por pessoas que há uns 3 anos nunca achei que seria. Pessoas que me ajudavam, me passaram confiança e segurança sempre. Eu as amei. Diante de toda essa tristeza a pessoa que mais me acolheu foi justamente quem eu nunca achei que me daria um ombro amigo. Os verdadeiros amigos? Bom,  não estão tão amigos assim e isso me deixa meio decepcionada, principalmente porque eu nunca me vi sozinha e reconheço que não estou nem estarei jamais, mas a solidão que se apresenta a mim hoje se faz pela falta das pessoas que eu sempre reconheci insubstituiveis. Há aqueles que ainda digam que para novas pessoas especiais baterem na porta de nossas vidas, algumas devam ir embora com a brisa e essa é a didática da vida, que vai contra todas as minhas idéias que incluem principalmente uma mochila bem grande, onde é possível guardar todas as pessoas que me fazem bem para que eu possa levar a qualquer cantinho da minha vida. E esta que antes para mim parecia uma casinha de bonecas, que eu sempre montei da  forma que me agradava. Eu, como uma barbie, vivia as histórias que eu queria e tudo acontecia conforme a minha vontade. Uma vida de sonhos que virou-se ao avesso, me abalou. "Ah, mas barbie's não choram, nunca sequer deixam de sorrir" você vai me dizer. E eu concordo com sua teoria da playmobil também, só que eu nunca passei por isso. Minha vida da caixinha de vidro, na casinha rosa sempre foi perfeita, tudo conforme minha vontade... Hoje eu tenho que dizer um adeus que eu não quero me afastar, preciso aturar pessoas que eu não gosto no meu ambiente auxílio e descanso, no local que sempre me serviu de abrigo para as brigas familiares e problemas de escola.  Preciso me controlar, coisa que era extremamente fácil pra essa boneca que sempre conseguiu sair sorrindo depois de um fora, ou de um adeus. Não precisava de ninguém pra ser feliz porque jamais pessoa alguma poderia desparafusar seu sorriso de plástico, sua felicidade artificial. Talvez somente devesse deixar com que o universo que a cerca monte sua história e que papai do céu reconstrua sua casinha e traga novos personagens para brincar ou somente implante uma alegria pouco mais real. 


                                                                    Beijos aos meus brinquedinhos ;*

6 comentários:

Renato Sneijder disse...

bem vinda a vida adulta :D

Stephane Many disse...

Sabe, é bom crescer *-*

Scarlett Benevides disse...

Eeeei, gostei muito do seu blog.

mandei um selo pra você:
olha lá:

http://noscontosdefada.blogspot.com/2011/01/presentinhooo.html

receba com todo carinho.

Beijoo

Stephane Many disse...

Ah, que gracinha *-*
Bom, brigadão.
Pode deixar que eu vou passar pra frente sim.
Beijo

Adilson Guimarães disse...

Talvez essa boneca esteja precisando de uma brincadeira de criança para voltar a viver... Quem sabe essas pessoas que hoje apunhalam seu coração nunca foram importantes, você as colocou nessa posição pelo vácuo que havia de pessoas assim. Durante toda a vida poderemos contar nas estrelas quem nos ajudou e nas mãos quem nos ama, já que o amor não se conjuga no passado. Quem ama, ama e continuará amando até o fim dos tempos. Ódio, decepção não anulam o amor apesar impedem ele de ser plenamente e essêncialmente, vivido.


Um grande beijo e... Estou aqui.

www.catarseonline.blogspot.com

Stephane Many disse...

Obrigada .